Teses e Dissertações


AS LIÇÕES DE MENINICE: um estudo sobre as representações de livro de leitura inscritas na série graduada Meninice (1948/1949), de Luiz Gonzaga Fleury

Tese
Autor: Ilsa do Carmo Vieira Goulart
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 13/12/2013
Resumo: Com o intuito de investigar, relacionar e compreender quais e como as representações sobre o livro de leitura se constroem histórico e socialmente, concretizadas numa produção material e impressa, esse trabalho intenta contribuir para com os estudos sobre a história do livro didático no Brasil, no decorrer da primeira metade do século XX. Para a efetivação de tal propósito a pesquisa se direciona aos discursos presentes em diferentes fontes documentais, como os relatórios dos Anuários do Ensino do Estado de São Paulo, periódicos que circularam na época, como Revista Ensino, Revista Escolar, Revista Educação e o Jornal O Estado de São Paulo. Os discursos produzidos nas três décadas do século XX sobre os livros didáticos constituíam-se por interesses políticos para se implementar um ensino nacionalizado e uniformizado, com isso percebe-se uma construção e apresentação de ideias sobre o que seria e como deveria ser estruturado um livro de leitura considerado de qualidade. Neste sentido, a pesquisa prioriza apreender o que tais enunciados trazem como marca de uma representatividade de “bom” livro de leitura, tomando como corpus investigativo os livros que compõem a série graduada de Língua Portuguesa, Meninice (1948/1949), de Luiz Gonzaga Fleury. O questionamento e a análise proposta ao discurso impresso partem da premissa de que a linguagem está inserida num contexto social de sua produção e carregada de uma pluralidade de sentidos, sedimentadas pela Teoria da Enunciação de Mikhail Bakhtin. O outro suporte teórico está nas concepções sobre a história do livro, história da leitura, noção de representação e de práticas de leitura de Roger Chartier e de Robert Darnton, pautados da perspectiva da história cultural, como também, na verificação das intenções que movimentam o autor ao redigir e o editor ao publicar uma determinada obra. O trabalho considera que as ideias produzidas sobre os livros de leitura, legitimam e demarcam perspectivas ideológicas no campo educacional, que se tornam características predominantes ou constituintes de uma cultura material escolar.

Palavras-chave: não especificado


ENTRE O ESCRITO E O LIDO, A PALAVRA COMO “PONTE” – RESPOSTAS AOS ENUNCIADOS DA “PROVA CAMPINAS-2008”

Dissertação
Autor: Mariana Bortolazzo
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 08/09/2013
Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo levantar e trazer para discussão e análise as relações estabelecidas com a linguagem escrita por crianças em anos finais de alfabetização, buscando compreender os movimentos discursivos construídos em cada resposta, considerando as condições de produção que as configuraram: crianças em anos finais de alfabetização,respondendo a uma questão da “Prova Campinas-2008” – uma avaliação institucional Municipal cujas questões exigiam respostas dissertativas. Para analisar as respostas que compõem o corpus constituído por 187 produções escritas – das quais 21 foram selecionadas para compor o texto -, recorremos à perspectiva enunciativa da linguagem (BAKHTIN, 2010a), considerando os três elementos que compõem o enunciado – conteúdo temático, construção composicional e estilo. Algumas questões nortearam a leitura das respostas dos alunos: Para quem escrevem? Como escrevem? Sobre o que escrevem? Percebemos que a eleição de diferentes interlocutores em cada produção escrita foi o que nos forneceu mais elementos para interrogar e compreender o trabalho exercido sobre e com a linguagem por cada aluno de forma particular. Neste estudo, preocupamo-nos ainda em observar indícios de leituras (PIMENTEL, 1998; CUNHA, 2009) que pudessem nos indicar elementos dos quais as crianças se utilizaram para compor seus textos: leituras de outros textos, leituras de mundo, leituras mais “escolarizadas” ou não. A pesquisa ancora-se, fundamentalmente, nos referenciais que estudam e interpretam a leitura e a escrita como práticas culturais, cotidianas, históricas (CHARTIER, 1990; CERTEAU, 2012; GINZBURG, 2001) e nos estudos no campo da linguagem (BAKHTIN, 2010a, 2010b; SMOLKA, 2008; GERALDI, 1997, 2011).

Palavras-chave: não especificado


O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DO ALUNO COMO PRODUTOR DE TEXTOS: O PAPEL DA MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA

Dissertação
Autor: Adriano Caetano Rolindo
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 08/06/2013
Resumo: A presente pesquisa tem como objetivo descrever e analisar práticas pedagógicas cujos impactos positivos promovam o movimento de aproximação dos alunos, de uma turma de primeiro ano do ensino fundamental, com as práticas de escrita. Este trabalho analisa e discute o processo de construção do aluno como produtor de textos, levando-se em conta o papel da mediação pedagógica. Os pressupostos teóricos da pesquisa qualitativa em educação embasam a metodologia desta dissertação, que tem como fonte de dados primários a observação da prática em sala de aula e a coleta de amostras da produção escrita dos alunos. A abordagem histórica cultural na psicologia do desenvolvimento humano, os conceitos de afetividade, alfabetização e letramentos fazem parte do arcabouço teórico deste trabalho. Através da análise preliminar dos dados foram levantados núcleos e subnúcleos de significação, que representam as marcas e decisões pedagógicas assumidas pela professora durante o processo de ensino e aprendizagem que promovem o movimento de aproximação entre os sujeitos – alunos – e o objeto – escrita. 

Palavras-chave: não especificado


LENDO COM HILDA: JOÃO KÖPKE - 1902

Tese
Autor: Maria Lygia Cardoso Köpke Santos
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 28/02/2013
Resumo: João Köpke (1852-1926), advogado, professor, diretor de escolas, autor, conferencista, tem merecido um conjunto significativo de estudos pela sua atuação no magistério, pela publicação de livros de leitura e por sua participação intelectual no campo da educação, seja publicando artigos em periódicos de ensino, seja ministrando conferências. Nesta tese, apresentamos um livro, que faz parte do acervo pessoal da família Köpke, e que, provavelmente, não foi publicado, sendo totalmente desconhecido do meio acadêmico. Trata-se de uma cartilha manuscrita (O Livro de Hilda), produzida em 1902. Este livro, dividido em três partes separadas e ao mesmo tempo inter-relacionadas, conduz o leitor num vaivém de historietas e exercícios através do método analítico para o ensino da leitura e da escrita. Descrever essa obra de João Köpke, buscar nos arquivos e bibliotecas indícios de sua publicação e divulgá-la para a comunidade acadêmica são os principais objetivos deste estudo.

Palavras-chave: não especificado


A BIBLIOTECA ESCOLAR NA PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE LEITURA: MOVIMENTOS, DIÁLOGOS, APROXIMAÇÕES

Dissertação
Autor: Renata Aliaga
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Ano da Defesa: 2013
Resumo: Esta pesquisa teve como um de seus objetivos inventariar a produção acadêmica gerada na última década (2000- 2010) e que se dedicou a pensar as relações entre a leitura e a biblioteca. O recorte temporal escolhido apoiou-se em pesquisa anterior (Ferreira, 1999), e, assim como outras investigações, deu corpo a uma das frentes de trabalho do grupo de pesquisa ‘Alfabetização, Leitura e Escrita’(ALLE). Buscou localizar e reunir essa produção, aproximando reflexões desenvolvidas em diferentes localidades do país, interrogando momentos, lugares e sujeitos envolvidos. Como pesquisa de caráter bibliográfico, buscou construir uma visão do tipo “Estado da Arte”, através do mapeamento e sistematização das investigações em leitura que abordam o tema da biblioteca, tomando como suporte teórico as pesquisas de Ferreira (1999, 2002, 2003); Teixeira e Megid (2006) e Ribeiro (2011). A sistematização dos dados evidenciou uma produção com características bastante diversas, mas que se concentra majoritariamente em programas de pós-graduação em educação. A leitura dos resumos desse último conjunto nos permitiu esboçar e discutir como a biblioteca escolar se apresenta nessa recente produção acadêmica, suas ênfases e seu diálogo com as preocupações e desafios desse campo. As reflexões de Michéle Petit (2008), Jacob (2008), Silva (2001, 2005, 2012) e Moreira (2008, 2012), ajudaram a dar contorno ao assunto maior desta investigação, assim como os referenciais da história cultural, especialmente os estudos de Roger Chartier (1994, 1996, e outros). 

Palavras-chave: não especificado


AFETIVIDADE E CONDIÇÕES DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Dissertação
Autor: Daniela Gobbo Donadon Gazoli
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Ano da Defesa: 2013
Resumo: A presente pesquisa pretende analisar os impactos afetivos, vivenciados por alunos adultos, produzidos pelas práticas pedagógicas do professor durante o processo de alfabetização, em uma sala de EJA – Educação de Jovens e Adultos. Propõe investigar a dimensão afetiva na mediação pedagógica, bem como sua repercussão para os sujeitos envolvidos, buscando compreender e descrever o papel da afetividade no desenvolvimento humano, em especial, nos aspectos relacionados com a leitura e a escrita. Procura compreender como tais experiências afetivas impactam na construção da subjetividade humana. As bases teóricas fixam-se na área da Psicologia, na abordagem Histórico-Cultural, principalmente em Vygotsky (1998), e nas contribuições de Wallon (1968) sobre o desenvolvimento humano. Assume-se, como pressuposto teórico, que o processo de mediação pedagógica, desenvolvido pelo professor em sala de aula, é marcadamente afetivo, podendo produzir movimentos de aproximação ou de afastamento entre o aluno e os objetos de conhecimento em questão. Na coleta de dados, segundo a metodologia qualitativa, utilizou-se o procedimento de autoscopia, no qual o sujeito confronta-se com sua imagem videogravada e é incentivado, pelo pesquisador, a verbalizar sobre os seus sentimentos vivenciados na situação em tela. A partir das verbalizações geradas, são construídos núcleos temáticos que possibilitam identificar os diversos sentidos constituídos pelos sujeitos, a partir das práticas pedagógicas vivenciadas em sala de aula. Sua pertinência firma-se na relevância social do tema e na possibilidade de contribuir para ampliar o conhecimento de temática que vem ganhando visibilidade entre as pesquisas em educação.

Palavras-chave: não especificado


Na bagagem de Dona Zezé: uma proposta de investigação e intervenção sobre a imagem da professora a partir de fotografias do curso de formação continuada Teia do Saber.

Tese
Autor: Gabriela Fiorin Rigotti
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Ano da Defesa: 2013
Resumo:  O estudo aqui apresentado é primeiramente uma proposta de investigação sobre a imagem da professora a partir das fotografias obtidas em aulas ministradas pela equipe da Unicamp no curso de formação continuada Teia do Saber entre os anos de 2003 e 2004 e publicadas no livro foto-reportagem “Teia do Saber: capacitação de professores da rede pública”, lançado pela Unicamp em abril de 2006. Mesmo tendo como foco primordial as fotografias, esta pesquisa lê as imagens e também os textos publicados no referido livro, a fim de encontrar intersecções de sentido entre eles, visando levantar indícios sobre como a figura da professora vem sendo forma(ta)da pelos órgãos e instituições que se responsabilizam pelas políticas de formação continuada em nosso estado. Para tanto, além da leitura e análise dos textos, este estudo se utiliza de uma metodologia própria do trabalho com as imagens, ou seja, seleciona, conta, enumera e descreve as fotografias analisadas para, só então, correlaciona-las com outros elementos da cultura material que sobressaem quando se olha para elas. Á luz destas leituras e a partir das primeiras análises realizadas, esta pesquisa também traz, num segundo momento, uma proposta de intervenção sobre três fotografias publicadas no livro foto-reportagem estudado, intervenções estas que partem da rememoração de minhas experiências reais vividas como professora do Teia do Saber. Nesse ponto, esta pesquisa recorre a uma metodologia que abre espaço para a imaginação, ao mesmo tempo em que impede que a pesquisa de caia em trocadilhos simplistas. O pinçar de detalhes destas imagens escolhidas, aliado e ancorado na rememoração de momentos vividos, cria uma brecha capaz de ampliar os limites do olhar e fazer vazar outras leituras, outras histórias sobre as professoras – histórias talvez mais condizentes com as vivências tidas com elas durante o trabalho no referido curso

Palavras-chave: não especificado


OBRAS DE LITERATURA INFANTOJUVENIL PORTUGUESA NO MERCADO LIVREIRO E EDITORIAL BRASILEIRO EM 2010 E 2011

Dissertação
Autor: Iris Filomena Mendes de Olveira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2013
Resumo: No Brasil, inúmeras pesquisas estudam obras portuguesas destinadas ao público infantil, as quais tiveram ampla circulação no país no século XIX e primeiras décadas do século XX. Contudo, a respeito da circulação dessas obras no século XXI, percebemos a existência de poucos estudos, estando a temática dispersa em diferentes espaços de buscas e de pesquisas, o que traz dificuldades aos pesquisadores da área quando se trata da identificação dos autores portugueses no campo da produção lusófona. Nesse sentido, nessa dissertação pretendemos contribuir tanto para o dimensionamento e entendimento deste campo de pesquisa em sua historicidade, quanto para o alargamento da compreensão e das relações entre literatura infantojuvenil e o mercado em que ela está inserida. A interrogação dos dados, confrontados com outras informações levantadas nesta pesquisa, permitiu-nos apontar para alguns fatores que, ao que parece, vêm acarretando uma mudança no cenário desta produção, fomentando sua circulação e consolidando a presença desta literatura no mercado brasileiro, nos últimos anos. Neste trabalho, inventariamos e investigamos as obras infantojuvenis portuguesas à venda em uma grande livraria brasileira, no período de agosto de 2010 a dezembro de 2011. Examinamos a relação entre a quantidade de títulos disponíveis, bem como as editoras (brasileiras e portuguesas) que as publicam, considerando as conexões entre as coleções, os escritores, os ilustradores e a data de publicação/impressão das obras. Buscamos, ainda, conhecer e perceber as preferências, continuidades e descontinuidades do percurso produtivo desta literatura, mediada por questões educacionais, mercadológicas, comemorativas e de fomento do setor. Procuramos, também, percorrer algumas das mais relevantes projeções dos livros infantojuvenis portugueses na mídia brasileira. Foram localizados 128 livros de escritores/ilustradores portugueses disponíveis para venda, todos voltados para o público infantil e/ou juvenil e publicados por 26 editoras. 61 destas obras foram publicadas no Brasil por 17 editoras brasileiras, enquanto que 67 foram importadas, tendo sido publicadas/impressas por 9 editoras portuguesas. As obras foram escritas por 52 autores/coautores, dos quais 46 são portugueses; dos 63 ilustradores, 25 são portugueses. A perspectiva teórico-metodológica é constituída por estudos da História Cultural (Chartier, 1999 e 1996); pelas pesquisas do estado da arte (Ferreira, 1999) e pelos estudos de pesquisadores da Literatura infantil portuguesa, principalmente Barreto (2002, 1998), Rocha (2001) e Ferreira (2008).

Palavras-chave: não especificado


RUTH ROCHA : PRODUÇÃO, PROJETOS GRÁFICOS E MERCADO EDITORIAL

Dissertação
Autor: Cláudia de Oliveira Daibello
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2013
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo analisar a obra de literatura infantil da escritora brasileira Ruth Rocha. Seu corpus é formado por cento e oitenta e quatro obras publicadas pela autora no período de 1969 a 2013. O trabalho desenvolve-se em duas direções: uma primeira, que se propõe a inventariar sua produção através do levantamento de dados como data de lançamento das obras, edições disponíveis, aspectos tipográficos e textuais, entre outros, buscando conhecer as características gerais desta produção. E uma segunda que, após selecionar as características e modificações mais representativas constatadas nas obras, pretende compreender como estes aspectos evidenciam concepções de literatura infantil por parte da autora e dos produtores dos livros e de que maneira revelam um público leitor pressuposto para a obra, a quem se quer conquistar. A pesquisa fundamenta-se nos referenciais teóricos da História Cultural, principalmente nos estudos realizados por Chartier (1990, 2001a e b) em relação aos protocolos inseridos na obra na tentativa de controlar a leitura e nas representações de mundo sugeridas pelos mesmos. Também foram importante contribuição os estudos de Bakhtin (2003) no que diz respeito ao aspecto responsivo de todo discurso e na influência do destinatário e das condições de produção sobre o enunciado, bem como os estudos do campo da literatura como os realizados por Arroyo (1968), Lajolo (2005) e Zilberman (2005, 2006), que permitiram estabelecer relações entre os dados obtidos e o contexto histórico social em que as obras foram produzidas. Considerando o professor como leitor privilegiado de livros para crianças e como sujeito que seleciona grande parte das obras lidas por elas, a referida pesquisa pretende problematizar essa produção de modo a colaborar no debate sobre leitura-literatura-escola.

Palavras-chave: não especificado


UM ESCRITOR E ILUSTRADOR (ODILON MORAES), UMA EDITORA (COSAC NAIFY): CRIAÇÃO E FABRICAÇÃO DE LIVROS DE LITERATURA INFANTIL

Dissertação
Autor: Andréa Rodrigues Dalcin
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2013
Resumo: Este trabalho tem como propósito conhecer o processo de criação e produção de livros de literatura infantil, pela visão do autor e ilustrador Odilon Moraes. O corpus é constituído por três obras publicadas pela Editora Cosac Naify, escritas e ilustradas pelo referido autor: “A Princesinha Medrosa” (2ª edição, 2008), “Pedro e Lua” (2004) e “O Presente” (2010). A pesquisa se volta para as singularidades dos modos de criação e produção, a partir da análise das representações e concepções de criança, literatura e arte que concebem um determinado jogo circunscrito no polo da produção, por este autor e esta editora. Para tanto, levantamos as seguintes interrogações: no caso da literatura infantil, como as representações do leitor infantil são sugeridas no momento da criação das obras pelos autores? Como é o jogo, no polo da produção, quando pensamos neste autor e nesta editora? Como este jogo questiona (ou não) o jogo habitual ancorado em uma sociedade de mercado e de consumo? Para buscarmos respostas, tomamos como fontes documentais  entrevistas com o autor, com Isabel Lopes Coelho, editora do catálogo de literatura infanto-juvenil da Cosac Naify, e com Maria Carolina Sampaio de Araújo, designer. Nessa direção, o trabalho tem seu procedimento metodológico ancorado nas entrevistas realizadas, nas análises dos livros selecionados e em buscas realizadas em bancos de pesquisa sobre teses e dissertações a respeito do tema “literatura infantil”. Contribuições teóricas advindas da História Cultural (Chartier, 1990 e 2001) nos mostram que ao tomarmos os sujeitos envolvidos nesses processos como fontes e objetos de nossa investigação adentramos no campo das representações próprias de um tempo ou de um espaço. Ao pensarmos com a liberdade (sempre condicionada) de cada sujeito, Certeau (2007) nos oferece contribuições sobre os modos de pesquisar, bem como um aprofundamento nas discussões acerca das estratégias de quem detém o poder (a editora). Em Ginzburg (1989, 2006), teremos contribuições para o estudo de um caso particular (um autor, uma editora), que pode ser representativo de um determinado tempo histórico. Com Norbert Elias (2001), teremos contribuições trazidas pela Sociologia ao estudarmos não um autor e uma editora em particular, mas a função deste autor e desta editora não na ação de fabricar um livro, mas na constituição de uma rede ou um jogo no qual eles estão inscritos. Já Scott e Nikolajeva (2011), Hunt (2010) e Linden (2011) trazem contribuições ao panorama atual da literatura infantil. Arroyo (1988), Coelho (2010), Lajolo e Zilberman (2007) situam esta pesquisa no tempo e espaço, a partir de um panorama histórico.

Palavras-chave: não especificado