Teses e Dissertações


IMPACTOS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CENTRADAS NO LETRAMENTO EM CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES CENTRADAS NO LETRAMENTO EM CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES

Dissertação
Autor: Beatriz Gracioli Andrade
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Ano da Defesa: 2011
De acordo com o modelo tradicional de alfabetização, a escrita é compreendida como um código de transcrição da fala, e as atividades pedagógicas visam exclusivamente o domínio deste código. Entretanto, segundo a perspectiva de letramento, não basta apenas saber ler e escrever, ou seja, decodificar o sistema da escrita; é preciso também saber fazer uso do mesmo, de acordo com as próprias necessidades e com as demandas da sociedade. Neste sentido, cabe à educação infantil possibilitar às crianças a participação no mundo da escrita, envolvendo-as em práticas sociais de leitura e escrita. Assim, a presente pesquisa teve como objetivo descrever e analisar as práticas pedagógicas de letramento realizadas por uma professora de educação infantil e identificar os possíveis impactos dessas práticas na relação dos alunos com a escrita, fora do ambiente escolar. A metodologia deste estudo é de natureza qualitativa, com características etnográficas. A coleta de dados foi realizada em uma escola particular de Campinas, e incluiu observações participantes em uma classe de educação infantil, com crianças de 4 a 5 anos. Envolveu as observações da pesquisadora, registradas em um diário de campo, e entrevistas com a professora da classe e com os pais dos alunos. A análise dos dados foi realizada de acordo com estudos sobre alfabetização e letramento e com o referencial histórico-cultural. Baseando-se nos dados analisados, concluímos que esta escola, como instituição historicamente legitimada para o ensino da linguagem escrita, desempenhou um papel fundamental na formação de leitores e produtores de textos. A qualidade da mediação do professor foi essencial para garantir a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos com relação à escrita, além da aproximação afetiva dos mesmos com esse objeto de conhecimento.

Palavras-chave: letramento, alfabetização, perspectiva histórico-cultural, mediação, educação infantil


Livro infantil no Brasil (2007-2008) : marcas em circulação, impressos de divulgação e infâncias anunciadas,

Dissertação
Autor: Juliana Bernardes Tozzi
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Ano da Defesa: 2011
Resumo: O trabalho focaliza as marcas de editoras e a divulgação dos livros infantis no Brasil contemporâneo. Ocupa-se em traçar um mapeamento sobre os agentes editoriais ativos nesta produção, entre 2007 e 2008, e investigar os ideários e as representações de infância que os catálogos impressos de divulgação destas empresas editoriais, as principais fontes da pesquisa da investigação realizada, colocam em circulação. Para isto, a pesquisa observa e discute as estratégias que as editoras incorporam e/ou inventam para garantir seu reconhecimento e distinção neste campo de comércio de bens simbólicos para a infância e identifica como a leitura dos dispositivos encontrados nos catálogos de divulgação pode informar sobre os imaginários que definem e atualizam infâncias, seus públicos e objetos, e a concorrência de produtos. O trabalho tem sua problematização e procedimento metodológico-analítico fundamentados em contribuições trazidas pela Sociologia da Cultura (com Norbert Elias e Pierre Bourdieu), explorando as noções de campo e da teoria da ação social; pela História Cultural (com Roger Chartier e Robert Darnton) e as ideias de mediação editorial e ciclo de vida dos livros; e pela Teoria da Enunciação (de Mikhail Bakhtin), com sua inspiração para a discussão discursiva dos materiais de linguagem.

Palavras-chave: não especificado


ORLANDO FURIOSO DE LOBATO: UMA OBRA INCONCLUSA

Dissertação
Autor: André Aparecido Garcia
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 06/09/2010
Resumo: O trabalho que aqui se apresenta tem como objetivo principal ou intenção primeira apresentar a obra Orlando Furioso de Xavier da Cunha, editada pela Companhia Editora Nacional de Lisboa no ano de 1895, arquivada no Centro de Documentação Alexandre Eulálio (CEDAE)/Unicamp, buscando compreender não só a trajetória desta edição, como também os aspectos tipográficos e textuais que a configuram. Ainda tem como objetivo investigar os vestígios deixados por Monteiro Lobato, de forma manuscrita, nesta edição de Orlando Furioso, colocando como questões: quais são as intervenções editoriais e textuais que Lobato lança mão com um possível desejo de publicá-la com um livro clássico infantil? Que representação de leitor infantil parece orientar tais intervenções? Que representação do gosto de leitor infantil parece orientar a visão de Lobato como editor nessas intervenções. Essa pesquisa se enquadra no conjunto de trabalhos do grupo de pesquisa Alfabetização, Leitura e Escrita (ALLE) no que diz respeito à investigação dos procedimentos postos e praticados pelo pólo da produção, tendo em vista a representação que autores e editores constroem a respeito do público, a qual se destina as obras publicadas, na perspectiva metodológica fornecida pela História Cultural.

Palavras-chave: não especificado


ENCENAÇÕES DA LEITURA NA LITERATURA INFANTIL

Tese
Autor: Marcela Roberta Ferraro Ferreira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2010
Resumo: Dialogando com as questões levantadas pela História Cultural, o presente trabalho analisa as representações de leitura construídas pela Literatura Infantil. Ao olhar para essas imagens do leitor ficcional, é possível perceber como a idealização desse leitor vai divulgando modelos de comportamento legitimados para o público infantil. Cabe, portanto, analisar os implícitos da representação e investigar os protocolos ou dispositivos discursivos que procuram conduzir práticas de leitura. Sendo assim, sobressaem as seguintes indagações: Quem é esse leitor apresentado pela Literatura Infantil? Quais práticas são retratadas/construídas por essa literatura? Quais práticas legitima? Quais práticas divulga para formar o leitor? Ao reconhecer as representações mais recorrentes nessa literatura, este trabalho questiona as ausências e os silenciamentos em torno de leitores que o gênero não acolhe e de práticas não incluídas. Seguimos com a hipótese de que a construção literária do leitor, ao se apresentar como semelhante dos sujeitos reais, projeta os caminhos da história da leitura das crianças, sendo que as representações chamam à identificação, ao enquadramento e sugerem certas adequações através de dispositivos que visam regular seus usos e gestos. Atentar para esses aspectos nos possibilita perceber o caráter disciplinante dos textos para promover uma recepção mais consciente e mais cautelosa, de modo que possamos identificar as estratégias textuais que procuram nos controlar, impondo atitudes ditadas como adequadas e convencionais. A forma considerada aqui como a mais apropriada para abordar essas imagens consiste em não perder de vista o fato de serem representações literárias do leitor, em não deixar que se perca essa identidade artística, estética, formal, que compõe o contexto em que se abriga e se constrói o leitor. As análises apontam para a disseminação de um imaginário onde desponta a exaltação do leitor infantil, como forma de conquistá-lo, de discipliná-lo e de promover a consolidação do gênero.

Palavras-chave: não especificado


UMA LEITURA DO RELATÓRIO DO INQUÉRITO :  'LEITURAS INFANTIS DE CECÍLIA MEIRELES'

Dissertação
Autor: Yara Máximo de Sena
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2010
Resumo: Este trabalho tem o intuito de tomar o Relatório do Inquérito “Leituras Infantis” realizado por Cecília Meireles com estudantes cariocas do terceiro ao quinto ano da escola primária, no ano de 1931 e publicado em 1934, como objeto-fonte de investigação, no âmbito das suas condições de produção. Conhecer e interpretar os dados oferecidos neste Relatório sobre as leituras e os gostos infantis nos anos 30, através das preferências e aversões quanto a livros, autores, gêneros e práticas de leitura indicadas sob o ponto de vista dos entrevistados. Apoiados nos estudos teórico-metodológicos da História Cultural (Chartier, 1990), compreendendo que é preciso desconfiar das respostas oferecidas pelas crianças, pois elas não estão num campo neutro, mas de lutas, competições e concorrências, onde os grupos tentam impor seus valores e concepções, indiciando o que liam, gostavam ou não e o que era desejável informar que lesse ou apreciasse. E por outro lado, a organização e a interpretação do Inquérito “Leituras Infantis” realizada por Cecília Meireles também se insere neste jogo de representações ligadas à história da leitura e da literatura para crianças de um determinado tempo e local. 

Palavras-chave: não especificado


CRIANÇAS LEITORAS ENTRE PRÁTICAS DE LEITURA

Tese
Autor: Maria Betanea Platzer
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 02/12/2009
Resumo: O presente trabalho visa a investigar o envolvimento de crianças com a leitura em seu cotidiano por meio de suas práticas e representações. Algumas questões são apresentadas neste estudo: De que forma ocorre o encontro entre objetos de leitura e seus leitores? Movido por quais expectativas, interesses e necessidades dos leitores? Quais modalidades de leitura são praticadas e escolhidas pelas crianças? Em que medida e de que forma a leitura é mediada por outros leitores? Quais apropriações e rituais são mais freqüentes e presentes para essas crianças? Para tanto, apoiamo-nos em pesquisas acadêmicas desenvolvidas no campo da leitura, especialmente sob a perspectiva da História Cultural. Os dados foram coletados por meio de diversos procedimentos metodológicos, dentre eles, questionários distribuídos a aproximadamente 60 crianças entre 10 e 11 anos de idade, residentes na cidade de Araraquara, interior de São Paulo; desse total, posteriormente, entrevistamos 10 crianças. Diferentes temáticas puderam ser contempladas por meio deste estudo, tais como: impressos que circulam e leituras que se repetem entre as crianças, envolvendo suas finalidades; rituais de leitura; apropriação de diferentes gêneros textuais; relação leitura e tecnologia digital e, ainda, leitura não-consagrada. As práticas aqui investigadas revelam a trajetória de envolvimento com a leitura por crianças (e suas respectivas famílias) que trazem um universo de significados, experiências e vivências, muitas vezes, distantes daquelas legitimadas, por exemplo, pelo cânone escolar. Acreditamos que um olhar mais atento às práticas de leitura cotidianas pode levar à revisão da premissa de que crianças de menor poder aquisitivo - foco central de nossas investigações - não lêem, buscando assim a revisão do conceito de leitura. Por outro lado, além de valorizar essas leituras, acreditamos ser necessária a ampliação de acesso a outras práticas de leitura da cultura letrada a essas crianças.

Palavras-chave: não especificado


O LIVRO: OBJETO DE ESTUDO E DE MEMÓRIA DE LEITURA

Dissertação
Autor: Ilsa do Carmo Vieira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 08/11/2009
Resumo: Este trabalho tem como propósito compreender a interação e o vínculo que se constrói no decorrer do tempo entre o leitor e a leitura por intermédio do livro. Para a efetivação desta pesquisa, foram utilizadas entrevistas com pessoas, a partir de cinquenta anos, que guardaram seu livro do período em que estudaram, bem como daquelas que em um determinado momento de suas vidas adquiriram outro exemplar deste impresso, ou mesmo daqueles que conservaram o livro de outra pessoa. Pelo relato das experiências de leitura que ocorreram com este material, tanto na palavra proferida quanto na memória restituída, é possível investigar sobre o papel que o livro, enquanto objeto físico, ocupa na relação do leitor com a leitura. Um objeto-livro que se torna revelador das marcas de um tempo, de lembranças e sentimentos. Desta forma, a pesquisa destacará o livro como objeto cultural e desencadeador de práticas de leitura. Para tanto, buscar-se-ão como suporte teórico as contribuições de Bakhtin (2004), numa compreensão da linguagem no campo da enunciação; de Benjamin (1994), Certeau (1994) e Bosi (1994), nas noções de experiência e memória; de Chartier (1990, 1994, 1996, 1998, 1999) e Darnton (1990), na história do livro, da leitura e de leitores.

Palavras-chave: não especificado


ENTRE O CAMPO E A CIDADE: INFÂNCIAS E LEITURAS ENTRECRUZADAS - UM ESTUDO NO ASSENTAMENTO PALMARES II, ESTADO DO PARÁ 

Tese
Autor: Eliana da Silva Felipe
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2009
Resumo: O trabalho intitulado: “Entre campo e cidade: infâncias e leituras entrecruzadas – um estudo no Assentamento Palmares II, Estado do Pará” resulta de uma pesquisa realizada com 23 crianças entre 9 e 14 anos no Assentamento Palmares II, no Sudeste do Pará. Os objetivos da pesquisa foram traduzidos em três grandes perguntas: 1) Em que medida o modo de viver a infância no campo influencia/afeta as formas de ler? 2) Como acontece a leitura entre as crianças de assentamento, ou seja, quais são os objetos, os motivos, as funções, as relações e os usos implicados no ato de ler? 3) Que usos contrastantes essas práticas revelam em relação a outros lugares sociais? Para investigar esses aspectos elegemos os circuitos e as redes de relação social que as crianças movimentam, as interações que produzem e os espaços sociais que dispõem para acessar objetos de leitura. Os resultados obtidos permitem afirmar que o modo de viver a infância neste assentamento se constrói no cruzamento de tempos plurais, combinação do contemporâneo com as reminiscências da tradição, e é sob esta mesma combinação que se organizam as práticas de leitura. Esses resultados sinalizam para mediações muito mais complexas na problematização da relação campo e cidade, infância urbana e infância do campo, leituras daqui e leituras de lá na medida em que admitem distinções não excludentes, semelhanças não uniformizadoras, o que do ponto de vista social, nos coloca diante de uma tensão: reconhecer a plasticidade do capitalismo de absorver espaços diversificados e incorporá-los ao seu movimento, ao mesmo tempo, a sua impossibilidade de administrar por completo os lugares e os tempos humanos.

Palavras-chave: não especificado


PROCESSOS DA EXCLUSÃO INTRA-ESCOLAR : OS ALUNOS QUE PASSAM SEM SABER

Tese
Autor: Marisa de Fátima Sirino
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Ano da Defesa: 2009
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo investigar o fracasso / sucesso escolar a partir das falas e das representações que as crianças - alunos, consideradas pela escola como portadoras de dificuldades de aprendizagem na leitura e na escrita, elaboram a respeito de si mesmas enquanto aprendizes / não aprendizes. Pretende-se, também, analisar as representações que os demais atores escolares – professores, coordenadores, diretor e pais - elaboram a respeito dessas crianças.

Palavras-chave: não especificado


VOSSA EXCELÊNCIA UM LEITOR

Dissertação
Autor: Silvana Dias Cardoso Pereira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 03/12/2008
Resumo: O grande universo da leitura tem despertado a atenção de muitos estudiosos. Este trabalho se concentra no enfoque dado à leitura pela História Cultural. Tem-se em mente pesquisar o leitor e suas práticas em relação ao texto escrito. O centro da pesquisa está na tensão que se opera entre o texto e o leitor, para se chegar ao modo como o leitor funciona em relação ao texto. Nesse percurso cada detalhe é importante na análise da produção escrita de um juiz/leitor, busca-se compreender suas práticas em relação ao texto escrito e suas representações de leitor e de leitura.

Palavras-chave: não especificado