Teses e Dissertações


A AFETIVIDADE NA SALA DE AULA: AS ATIVIDADES DE ENSINO E SUAS IMPLICAÇÕES NA RELAÇÃO SUJEITO-OBJETO

Dissertação
Autor: Daniela Cavani Falcin Guimarães
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 26/02/2008
Resumo: A presente pesquisa teve como objetivo aprofundar os estudos realizados pela autora em nível de graduação (Iniciação Científica), acerca da questão da afetividade no contexto escolar. Propôs-se continuar a olhar para as práticas pedagógicas docentes, focalizando, porém, especificamente, as atividades de ensino desenvolvidas pelo professor em uma sala de aula do ensino médio. Buscou-se identificar a dimensão afetiva presente nas atividades pedagógicas desenvolvidas pelo professor em sala de aula e analisar suas contribuições para a natureza das relações que se estabelecem entre sujeito (aluno) e objeto de conhecimento (conteúdos escolares). O referencial teórico adotado baseou-se nos autores Vigotski e Wallon que enfatizam os determinantes culturais, históricos e sociais da condição humana e consideram que, no homem, as dimensões afetiva e cognitiva são inseparáveis. A metodologia adotada foi o estudo de caso, que se insere no âmbito da abordagem qualitativa de pesquisa. A coleta de dados deu-se por meio do procedimento da autoscopia. A análise, por sua vez, consistiu no agrupamento dos relatos dos sujeitos em dez núcleos temáticos relacionados tanto às características das atividades de ensino da área de língua portuguesa, quanto aos impactos das mesmas nos alunos. De forma geral, observaram-se aspectos das atividades – planejamento, escolha do ponto de partida no processo de ensino-aprendizagem, seleção de materiais, desenvolvimento (instruções, explicações, esclarecimento de dúvidas, feedback), estabelecimento de relação entre os conteúdos e o cotidiano dos alunos, respeito ao ritmo dos alunos e avaliação do processo de ensino e aprendizagem – que, permeados pela afetividade, contribuíram para que os alunos se apropriassem efetivamente dos conteúdos. Observaram-se também os impactos positivos da mediação pedagógica e das atividades de ensino oferecidas aos alunos para o estabelecimento de uma relação afetivamente positiva entre eles e o objeto de conhecimento em questão.

Palavras-chave: não especificado


A DINÂMICA INTERATIVA NA SALA DE AULA: AS MANIFESTAÇÕES AFETIVAS NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO.

Tese
Autor: Elvira Cristina Martins Tassoni
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 25/02/2008
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo identificar a afetividade na dinâmica interativa da sala de aula, envolvendo alunos em quatro diferentes momentos do processo de escolarização – as últimas séries de cada nível de ensino – Infantil 4 (alunos com 6 anos em média), ciclo II/4ª série (alunos com 10 anos em média), ciclo IV/8ª série (alunos com 14 anos em média) e 3º ano do Ensino Médio ( alunos com 17 anos em média). A intenção é discutir o papel da afetividade neste processo, identificando suas diferentes formas de manifestação, demonstrando o processo de transformação pelo qual ela passa, nutrindo-se e manifestando-se por vias diversas. Fundamenta-se teoricamente em Henry Wallon (1896-1962) e Lev S. Vigotski (1896-1934), discutindo, portanto, a natureza social dos processos psíquicos, o entrelaçamento entre processos afetivos e cognitivos, como também o caráter de desenvolvimento que os acompanha. Destaca, ainda, a função social das emoções e o papel determinante da afetividade no desenvolvimento da criança, bem como o papel das interações sociais para a construção do conhecimento e da própria pessoa. A coleta de dados baseou-se em observações realizadas em sala de aula, envolvendo 8 professores e 51 alunos das quatro séries citadas, numa escola da rede particular em Campinas. Utilizou-se o procedimento da autoscopia que consiste na realização de vídeogravações dos sujeitos envolvidos e, posteriormente, submetê-los à observação do material filmado. Assim, registrou-se, através da câmera de vídeo, a dinâmica interativa da sala de aula e, após uma etapa inicial de seleção das imagens e identificação dos sujeitos, estes foram convidados a assistir o material editado. Durante as sessões de autoscopia, os sujeitos eram incentivados a fazer comentários a respeito do que viam. Desta maneira, foi possível identificar, nos comentários dos alunos, as diversas formas de manifestação da afetividade em cada momento do processo de escolarização, bem como as mudanças que se observaram nas diferentes idades. Tais comentários foram organizados em núcleos de significação, segundo os sentidos atribuídos pelos sujeitos às práticas pedagógicas da sala de aula.

Palavras-chave: não especificado


PROGRAMA BIBLIOTECAS ESCOLARES: UMA EXPERIÊNCIA DE INCENTIVO À LEITURA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CAMPINAS

Dissertação
Autor: Maria Lúcia Bachiega
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 25/02/2008
Resumo: Entre 1990 e 1992 a Secretaria Municipal de Educação de Campinas apoiou, nas escolas da rede, a organização de bibliotecas escolares, de forma isolada. Em 1993, deu início à construção do ‘Programa Bibliotecas Escolares’, inicialmente chamado de Projeto Biblioteca, através do estabelecimento de uma coordenação geral de ações integradas. Em 2001, o programa foi parcialmente descaracterizado e em 2002 desativado, em seu formato que já existia há 8 anos, com assessoramento aos professores e escolas e diversas atividades para dinamização da leitura. Assim, as escolas passaram a gerir, novamente sozinhas, seus espaços destinados à biblioteca. Em seus 9 anos de existência, o ‘Programa Bibliotecas Escolares’ gerou uma grande e diversificada documentação escrita e visual, além de é claro, um conjunto de iniciativas, experiências e possibilidades em torno dos livros e do espaço da biblioteca no interior de um número considerável de creches, escolas de educação infantil e fundamental, pertencentes à rede municipal. Pela natureza do programa, que articulava à instalação de bibliotecas o trabalho de assessoramento aos professores, a constituição de equipes condutoras, a realização de encontros e eventos ao longo desse tempo, o programa também gerou na memória dos que dele puderam participar, um conjunto de percepções, lembranças, opiniões e avaliações. O propósito desse trabalho é buscar uma organização possível dessa experiência, dialogando com diferentes memórias e documentos, que se encontram dispersos e fragmentados, em diferentes e variados suportes, priorizando o ponto de vista do pólo que organizou essa experiência em nível de secretaria. Tal narrativa registra uma ação coletiva em torno dos livros e da biblioteca na escola que, sobretudo, como ação institucional, como política pública para a escola e o livro, ultrapassou a mera distribuição de acervos, constituindo-se, como política de formação continuada para professores.

Palavras-chave: não especificado


Analise do processo de produção dos memoriais de formação por alunos do PROESF

Dissertação
Autor: Maria Cristina Moretto Pellisson
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 21/02/2008
Esta pesquisa objetiva analisar e descrever o processo de construção dos Memoriais de Formação de uma classe de alunas do curso de Pedagogia do PROESF, programa especial da Faculdade de Educação da Unicamp. Sendo este curso destinado a um público específico, essas alunas já possuíam o diploma do curso de Magistério. A orientação da produção textual dessas alunas esteve a cargo de um professor, membro de um grupo de dez docentes da FE da Unicamp - denominado G10. Essa orientação deu-se por meio de encontros mensais do professor com a classe, nos quais estivemos presentes. De cunho qualitativo, a presente pesquisa define-se como um estudo de caso, com escolha intencional de sujeitos. Como fontes primárias na coleta de dados junto às alunas, utilizamos questionários que permitiram respostas abertas e entrevistas semi-estruturadas, gravadas em áudio. Como fontes auxiliares, fizeram parte da coleta anotações em Diário de Campo e gravações em áudio dos encontros do professor do G10 com a classe. Os dados foram coletados em períodos demarcados entre um encontro e outro do professor do G10 com a classe, períodos esses que receberam denominações de acordo com a ênfase do processo no momento. Esses dados foram organizados, segundo a semelhança de temas entre os relatos dos sujeitos, em agrupamentos denominados Núcleos Temáticos. Baseamos em referenciais teóricos da Psicologia dentro da perspectiva histórico-cultural, que concebe o psiquismo humano como essencialmente histórico, atribui especial relevância ao meio social como condição para a constituição do sujeito e defende o papel da mediação do professor, dentro da escola, como elemento fundante no processo de aprendizagem do indivíduo. Para as reflexões acerca da formação continuada do professor, adotamos como pressupostos teóricos concepções que assumem o processo de constituição do professor num continuum, entre sua formação inicial e sua formação permanente em serviço. Da análise dos dados tivemos evidências de como essas alunas progrediram qualitativamente nas escritas de seus memoriais, as dificuldades que encontraram e os elementos considerados facilitadores e/ou dificultadores no processo. Nesses avanços dos sujeitos identificamos os saltos qualitativos, o momento do processo em que ocorreram e seus possíveis determinantes, evidenciando elementos relevantes quanto ao planejamento de aulas, mediação do professor e aprendizagem do aluno.

Palavras-chave: não especificado


Análise do processo de produção dos memoriais de formação por alunos do PROESF

Dissertação
Autor:  Maria Cristina Rosolen Moretto Pelisson
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 21/02/2008
Resumo: Esta pesquisa objetiva analisar e descrever o processo de construção dos Memoriais de Formação de uma classe de alunas do curso de Pedagogia do PROESF, programa especial da Faculdade de Educação da Unicamp. Sendo este curso destinado a um público específico, essas alunas já possuíam o diploma do curso de Magistério. A orientação da produção textual dessas alunas esteve a cargo de um professor, membro de um grupo de dez docentes da FE da Unicamp ¿ denominado G10. Essa orientação deu-se por meio de encontros mensais do professor com a classe, nos quais estivemos presentes. De cunho qualitativo, a presente pesquisa define-se como um estudo de caso, com escolha intencional de sujeitos. Como fontes primárias na coleta de dados junto às alunas, utilizamos questionários que permitiram respostas abertas e entrevistas semi-estruturadas, gravadas em áudio. Como fontes auxiliares, fizeram parte da coleta anotações em Diário de Campo e gravações em áudio dos encontros do professor do G10 com a classe. Os dados foram coletados em períodos demarcados entre um encontro e outro do professor do G10 com a classe, períodos esses que receberam denominações de acordo com a ênfase do processo no momento. Esses dados foram organizados, segundo a semelhança de temas entre os relatos dos sujeitos, em agrupamentos denominados Núcleos Temáticos. Baseamos em referenciais teóricos da Psicologia dentro da perspectiva histórico-cultural, que concebe o psiquismo humano como essencialmente histórico, atribui especial relevância ao meio social como condição para a constituição do sujeito e defende o papel da mediação do professor, dentro da escola, como elemento fundante no processo de aprendizagem do indivíduo. Para as reflexões acerca da formação continuada do professor, adotamos como pressupostos teóricos concepções que assumem o processo de constituição do professor num continuum, entre sua formação inicial e sua formação permanente em serviço. Da análise dos dados tivemos evidências de como essas alunas progrediram qualitativamente nas escritas de seus memoriais, as dificuldades que encontraram e os elementos considerados facilitadores e/ou dificultadores no processo. Nesses avanços dos sujeitos identificamos os saltos qualitativos, o momento do processo em que ocorreram e seus possíveis determinantes, evidenciando elementos relevantes quanto ao planejamento de aulas, mediação do professor e aprendizagem do aluno 

Palavras-chave: não especificado


CULTURA MIDIÁTICA NA LICENCIATURA EM LETRAS

Tese
Autor: Núbio Delanne Ferraz Mafra
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 30/03/2007
Resumo: Esta pesquisa procurou compreender como a mídia, articulada ao universo cultural e à formação de professores, se apresentou no currículo da licenciatura em Letras Vernáculas de uma universidade pública durante o período 1995-2002. Ela se desenvolveu com base num estudo de caso, a partir da coleta e análise de informações oficiais em diferentes documentos como currículos, disciplinas, projetos, eventos e capacitações docentes. Além disso, foram feitas entrevistas com professores e egressos do curso. O trabalho está fundamentado nos Estudos Culturais, Teorias de Mídia-Educação e do Currículo, que ajudaram a desenhar um pensamento em que a mídia é refletida a partir do questionamento dos limites entre as culturas, juntamente com uma formação de professores enfocada no âmbito da renovada relação entre teoria e prática. Atravessando todos estes caminhos, surgem as práticas, saberes tornados hegemônicos e silenciados nas licenciaturas. No meio do caminho das Letras, a mídia.

Palavras-chave: não especificado


ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO LETRAMENTO : DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS JOVENS E ADULTOS E POSSÍVEIS RELAÇÕES COM AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS

Dissertação
Autor: Lúcia Maria de Santis Barella
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 26/02/2007
Resumo: A presente pesquisa tem como objetivo descrever o desenvolvimento das práticas de leitura e escrita de jovens e adultos, alunos da FUMEC? Fundação Municipal para a Educação Comunitária - identificando as possíveis relações com as práticas pedagógicas vivenciadas por estes. Tais práticas, por sua vez, referem-se a um processo de alfabetização baseado na perspectiva do letramento. A base teórica utilizada é a abordagem histórico-cultural e os estudos sobre letramento. A metodologia de pesquisa adotada é a abordagem qualitativa do tipo etnográfico. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas realizadas com os sujeitos no início e no final do processo, registros feitos pela pesquisadora em diário de campo e anotações feitas pelos alunos, sobre suas práticas de leitura e escrita, em diários individuais de leitura e escrita. Os resultados, produtos da análise das respostas emitidas pelos sujeitos nas entrevistas e anotações feitas por eles em seus diários, demonstram uma ampliação das práticas de leitura e escrita desenvolvidas pelos sujeitos, que podem ser relacionadas com as práticas pedagógicas desenvolvidas durante o processo de alfabetização em sala de aula.

Palavras-chave: não especificado


HISTÓRIAS DE LEITURA: A CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS SURDOS COMO LEITORES

Tese
Autor: Heloísa Andréia Vicente de Matos
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 23/02/2007
Resumo: Esta pesquisa busca delinear a construção social sobre os modos de apropriação da leitura pelos surdos - próprios e particulares - e das práticas de produções relativas à mesma que constituem/ constituíram tais sujeitos como leitores. Para tanto, procurou traçar a cartografia do movimento de formação de quatro surdos adultos como leitores (com pouca influência da oralização e relativa proficiência na leitura do Português, no presente), configurada na noção de espaço e tempo construídos pela memória dos mesmos, através dos recursos da História Oral. Em síntese, através dessas memórias, procurou-se destacar os diferentes modos de interação com a leitura e com a coletividade - formada por sujeitos surdos e ouvintes - em vários períodos de suas vidas, com intuito de categorizar os principais mediadores para tais processos de apropriação. Neste sentido, a pesquisa revelou que as imagens e a relação da Língua de Sinais com a escrita em Português são fundamentais para que o leitor surdo possa desenvolver-se como tal. Os sinais cumpriram a função da fala para os ouvintes, na constituição do leitor surdo. O papel da família como mediadora da leitura foi decisivo também nas histórias narradas, pelos modelos oferecidos, pelos materiais de leitura apresentados e pelas relações que se estabeleciam, do ponto de vista afetivo, assim como nas Associações de Surdos. A pesquisa também destaca que as identidades dos leitores surdos, imersos num contexto majoritariamente ouvinte, embora reprimidas, rebelam-se e afirmam-se em relação ao mesmo, frente às questões de inserção social, ideologicamente marcadas, que a palavra escrita e a proficiência na leitura também oferecem. Finalmente, a pesquisa aponta para o fato de que alguns surdos (que possuem uma identidade surda, que reconhecem a língua de sinais como língua natural), indicam que a oralidade exerce um papel importante em seu processo educativo, diferentemente dos moldes oralistas historicamente situados.

Palavras-chave: não especificado


SOBRE O QUE É SER ESCRITOR NO DISCURSO DE ANA MARIA MACHADO

Dissertação
Autor: Simone Michelle Silvestre
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 22/02/2007
Resumo: Para esta pesquisa de Mestrado, quisemos entender como a escritora Ana Maria Machado, projeta-se enquanto tal. Mais especificamente, objetivamos analisar no material textual não-ficcional de sua autoria - autobiografia - quais são os traços que em seu discurso aparecem associados à figura do escritor. Para tanto, a metodologia adotada incluiu, primordialmente, a análise de enunciados que fazem parte dos livros Esta força estranha - trajetória de uma autora; Como e por que ler os clássicos universais desde cedo?; Contracorrente: conversas sobre leitura e política; Texturas - sobre leituras e escritos e do material textual do website pessoal de Machado: www.anamariamachado.com.br. Já a análise dos enunciados foi feita em diferentes momentos e situações de produção na tentativa de entender as imagens de escritor propostas no discurso de Machado e como essas imagens respondem ou silenciam aspectos do discurso presente no imaginário social, tomando como sustentação teórica conceitos-chaves de Bakhtin e da análise do discurso francesa, como noção de enunciado, discurso, dialogismo e silenciamento.

Palavras-chave: não especificado


LEITURA E ENVOLVIMENTO: a escola, a biblioteca e o professor na construção das relações entre leitores e livros

Dissertação
Autor: Carlos Eduardo de Oliveira Klébis
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 08/08/2006
Resumo: Com o intuito de entender as circunstâncias através das quais os vínculos entre sujeitos e livros são construídos ao longo do processo escolar de formação de leitores, esta pesquisa dedicou-se a investigar os determinantes de algumas práticas em torno da leitura nos contextos em que se produzem as relações entre sujeitos e textos, especialmente no interior das escolas e bibliotecas escolares. Em seu desenrolar, esta pesquisa buscou criar pontes entre estudos relevantes acerca da leitura e da formação de leitores, procurando apresentar e discutir as circunstâncias em que se realizam o contato e a convivência entre sujeitos e textos nos espaços de formação de leitores, com o objetivo de melhor compreendermos a que se prestam as políticas públicas de leitura, as práticas escolares voltadas à formação de leitores e os ritos culturais em torno do livro e das formas de ler, deslindando as reais condições em que se dá a construção das relações entre leitores e livros na escola pública estadual. A percepção dos aspectos circunstanciais em que se desenrolam os papéis das políticas públicas de fomento ao livro e à leitura, bem como os da escola, da biblioteca e do professor é fundamental para a ampliação do universo de conhecimentos acerca das práticas escolares de formação de leitores e possibilitará outras reflexões sobre as relações entre os sujeitos e a cultura, através da leitura e dentro da escola, aqui abordada enquanto um espaço no qual leitores e leituras aprendem a conviver; o que implica a necessidade de se investir tanto no desenvolvimento objetivo das competências e habilidades necessárias à leitura, quanto no envolvimento subjetivo entre leitores e livros.

Palavras-chave: não especificado