Teses e Dissertações


UMA LEITURA DO RELATÓRIO DO INQUÉRITO :  'LEITURAS INFANTIS DE CECÍLIA MEIRELES'

Dissertação
Autor: Yara Máximo de Sena
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2010
Resumo: Este trabalho tem o intuito de tomar o Relatório do Inquérito “Leituras Infantis” realizado por Cecília Meireles com estudantes cariocas do terceiro ao quinto ano da escola primária, no ano de 1931 e publicado em 1934, como objeto-fonte de investigação, no âmbito das suas condições de produção. Conhecer e interpretar os dados oferecidos neste Relatório sobre as leituras e os gostos infantis nos anos 30, através das preferências e aversões quanto a livros, autores, gêneros e práticas de leitura indicadas sob o ponto de vista dos entrevistados. Apoiados nos estudos teórico-metodológicos da História Cultural (Chartier, 1990), compreendendo que é preciso desconfiar das respostas oferecidas pelas crianças, pois elas não estão num campo neutro, mas de lutas, competições e concorrências, onde os grupos tentam impor seus valores e concepções, indiciando o que liam, gostavam ou não e o que era desejável informar que lesse ou apreciasse. E por outro lado, a organização e a interpretação do Inquérito “Leituras Infantis” realizada por Cecília Meireles também se insere neste jogo de representações ligadas à história da leitura e da literatura para crianças de um determinado tempo e local. 

Palavras-chave: não especificado


CRIANÇAS LEITORAS ENTRE PRÁTICAS DE LEITURA

Tese
Autor: Maria Betanea Platzer
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 02/12/2009
Resumo: O presente trabalho visa a investigar o envolvimento de crianças com a leitura em seu cotidiano por meio de suas práticas e representações. Algumas questões são apresentadas neste estudo: De que forma ocorre o encontro entre objetos de leitura e seus leitores? Movido por quais expectativas, interesses e necessidades dos leitores? Quais modalidades de leitura são praticadas e escolhidas pelas crianças? Em que medida e de que forma a leitura é mediada por outros leitores? Quais apropriações e rituais são mais freqüentes e presentes para essas crianças? Para tanto, apoiamo-nos em pesquisas acadêmicas desenvolvidas no campo da leitura, especialmente sob a perspectiva da História Cultural. Os dados foram coletados por meio de diversos procedimentos metodológicos, dentre eles, questionários distribuídos a aproximadamente 60 crianças entre 10 e 11 anos de idade, residentes na cidade de Araraquara, interior de São Paulo; desse total, posteriormente, entrevistamos 10 crianças. Diferentes temáticas puderam ser contempladas por meio deste estudo, tais como: impressos que circulam e leituras que se repetem entre as crianças, envolvendo suas finalidades; rituais de leitura; apropriação de diferentes gêneros textuais; relação leitura e tecnologia digital e, ainda, leitura não-consagrada. As práticas aqui investigadas revelam a trajetória de envolvimento com a leitura por crianças (e suas respectivas famílias) que trazem um universo de significados, experiências e vivências, muitas vezes, distantes daquelas legitimadas, por exemplo, pelo cânone escolar. Acreditamos que um olhar mais atento às práticas de leitura cotidianas pode levar à revisão da premissa de que crianças de menor poder aquisitivo - foco central de nossas investigações - não lêem, buscando assim a revisão do conceito de leitura. Por outro lado, além de valorizar essas leituras, acreditamos ser necessária a ampliação de acesso a outras práticas de leitura da cultura letrada a essas crianças.

Palavras-chave: não especificado


O LIVRO: OBJETO DE ESTUDO E DE MEMÓRIA DE LEITURA

Dissertação
Autor: Ilsa do Carmo Vieira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 08/11/2009
Resumo: Este trabalho tem como propósito compreender a interação e o vínculo que se constrói no decorrer do tempo entre o leitor e a leitura por intermédio do livro. Para a efetivação desta pesquisa, foram utilizadas entrevistas com pessoas, a partir de cinquenta anos, que guardaram seu livro do período em que estudaram, bem como daquelas que em um determinado momento de suas vidas adquiriram outro exemplar deste impresso, ou mesmo daqueles que conservaram o livro de outra pessoa. Pelo relato das experiências de leitura que ocorreram com este material, tanto na palavra proferida quanto na memória restituída, é possível investigar sobre o papel que o livro, enquanto objeto físico, ocupa na relação do leitor com a leitura. Um objeto-livro que se torna revelador das marcas de um tempo, de lembranças e sentimentos. Desta forma, a pesquisa destacará o livro como objeto cultural e desencadeador de práticas de leitura. Para tanto, buscar-se-ão como suporte teórico as contribuições de Bakhtin (2004), numa compreensão da linguagem no campo da enunciação; de Benjamin (1994), Certeau (1994) e Bosi (1994), nas noções de experiência e memória; de Chartier (1990, 1994, 1996, 1998, 1999) e Darnton (1990), na história do livro, da leitura e de leitores.

Palavras-chave: não especificado


ENTRE O CAMPO E A CIDADE: INFÂNCIAS E LEITURAS ENTRECRUZADAS - UM ESTUDO NO ASSENTAMENTO PALMARES II, ESTADO DO PARÁ 

Tese
Autor: Eliana da Silva Felipe
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2009
Resumo: O trabalho intitulado: “Entre campo e cidade: infâncias e leituras entrecruzadas – um estudo no Assentamento Palmares II, Estado do Pará” resulta de uma pesquisa realizada com 23 crianças entre 9 e 14 anos no Assentamento Palmares II, no Sudeste do Pará. Os objetivos da pesquisa foram traduzidos em três grandes perguntas: 1) Em que medida o modo de viver a infância no campo influencia/afeta as formas de ler? 2) Como acontece a leitura entre as crianças de assentamento, ou seja, quais são os objetos, os motivos, as funções, as relações e os usos implicados no ato de ler? 3) Que usos contrastantes essas práticas revelam em relação a outros lugares sociais? Para investigar esses aspectos elegemos os circuitos e as redes de relação social que as crianças movimentam, as interações que produzem e os espaços sociais que dispõem para acessar objetos de leitura. Os resultados obtidos permitem afirmar que o modo de viver a infância neste assentamento se constrói no cruzamento de tempos plurais, combinação do contemporâneo com as reminiscências da tradição, e é sob esta mesma combinação que se organizam as práticas de leitura. Esses resultados sinalizam para mediações muito mais complexas na problematização da relação campo e cidade, infância urbana e infância do campo, leituras daqui e leituras de lá na medida em que admitem distinções não excludentes, semelhanças não uniformizadoras, o que do ponto de vista social, nos coloca diante de uma tensão: reconhecer a plasticidade do capitalismo de absorver espaços diversificados e incorporá-los ao seu movimento, ao mesmo tempo, a sua impossibilidade de administrar por completo os lugares e os tempos humanos.

Palavras-chave: não especificado


PROCESSOS DA EXCLUSÃO INTRA-ESCOLAR : OS ALUNOS QUE PASSAM SEM SABER

Tese
Autor: Marisa de Fátima Sirino
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Ano da Defesa: 2009
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo investigar o fracasso / sucesso escolar a partir das falas e das representações que as crianças - alunos, consideradas pela escola como portadoras de dificuldades de aprendizagem na leitura e na escrita, elaboram a respeito de si mesmas enquanto aprendizes / não aprendizes. Pretende-se, também, analisar as representações que os demais atores escolares – professores, coordenadores, diretor e pais - elaboram a respeito dessas crianças.

Palavras-chave: não especificado


VOSSA EXCELÊNCIA UM LEITOR

Dissertação
Autor: Silvana Dias Cardoso Pereira
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 03/12/2008
Resumo: O grande universo da leitura tem despertado a atenção de muitos estudiosos. Este trabalho se concentra no enfoque dado à leitura pela História Cultural. Tem-se em mente pesquisar o leitor e suas práticas em relação ao texto escrito. O centro da pesquisa está na tensão que se opera entre o texto e o leitor, para se chegar ao modo como o leitor funciona em relação ao texto. Nesse percurso cada detalhe é importante na análise da produção escrita de um juiz/leitor, busca-se compreender suas práticas em relação ao texto escrito e suas representações de leitor e de leitura.

Palavras-chave: não especificado


A AFETIVIDADE NA SALA DE AULA: AS ATIVIDADES DE ENSINO E SUAS IMPLICAÇÕES NA RELAÇÃO SUJEITO-OBJETO

Dissertação
Autor: Daniela Cavani Falcin Guimarães
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 26/02/2008
Resumo: A presente pesquisa teve como objetivo aprofundar os estudos realizados pela autora em nível de graduação (Iniciação Científica), acerca da questão da afetividade no contexto escolar. Propôs-se continuar a olhar para as práticas pedagógicas docentes, focalizando, porém, especificamente, as atividades de ensino desenvolvidas pelo professor em uma sala de aula do ensino médio. Buscou-se identificar a dimensão afetiva presente nas atividades pedagógicas desenvolvidas pelo professor em sala de aula e analisar suas contribuições para a natureza das relações que se estabelecem entre sujeito (aluno) e objeto de conhecimento (conteúdos escolares). O referencial teórico adotado baseou-se nos autores Vigotski e Wallon que enfatizam os determinantes culturais, históricos e sociais da condição humana e consideram que, no homem, as dimensões afetiva e cognitiva são inseparáveis. A metodologia adotada foi o estudo de caso, que se insere no âmbito da abordagem qualitativa de pesquisa. A coleta de dados deu-se por meio do procedimento da autoscopia. A análise, por sua vez, consistiu no agrupamento dos relatos dos sujeitos em dez núcleos temáticos relacionados tanto às características das atividades de ensino da área de língua portuguesa, quanto aos impactos das mesmas nos alunos. De forma geral, observaram-se aspectos das atividades – planejamento, escolha do ponto de partida no processo de ensino-aprendizagem, seleção de materiais, desenvolvimento (instruções, explicações, esclarecimento de dúvidas, feedback), estabelecimento de relação entre os conteúdos e o cotidiano dos alunos, respeito ao ritmo dos alunos e avaliação do processo de ensino e aprendizagem – que, permeados pela afetividade, contribuíram para que os alunos se apropriassem efetivamente dos conteúdos. Observaram-se também os impactos positivos da mediação pedagógica e das atividades de ensino oferecidas aos alunos para o estabelecimento de uma relação afetivamente positiva entre eles e o objeto de conhecimento em questão.

Palavras-chave: não especificado


A DINÂMICA INTERATIVA NA SALA DE AULA: AS MANIFESTAÇÕES AFETIVAS NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO.

Tese
Autor: Elvira Cristina Martins Tassoni
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 25/02/2008
Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo identificar a afetividade na dinâmica interativa da sala de aula, envolvendo alunos em quatro diferentes momentos do processo de escolarização – as últimas séries de cada nível de ensino – Infantil 4 (alunos com 6 anos em média), ciclo II/4ª série (alunos com 10 anos em média), ciclo IV/8ª série (alunos com 14 anos em média) e 3º ano do Ensino Médio ( alunos com 17 anos em média). A intenção é discutir o papel da afetividade neste processo, identificando suas diferentes formas de manifestação, demonstrando o processo de transformação pelo qual ela passa, nutrindo-se e manifestando-se por vias diversas. Fundamenta-se teoricamente em Henry Wallon (1896-1962) e Lev S. Vigotski (1896-1934), discutindo, portanto, a natureza social dos processos psíquicos, o entrelaçamento entre processos afetivos e cognitivos, como também o caráter de desenvolvimento que os acompanha. Destaca, ainda, a função social das emoções e o papel determinante da afetividade no desenvolvimento da criança, bem como o papel das interações sociais para a construção do conhecimento e da própria pessoa. A coleta de dados baseou-se em observações realizadas em sala de aula, envolvendo 8 professores e 51 alunos das quatro séries citadas, numa escola da rede particular em Campinas. Utilizou-se o procedimento da autoscopia que consiste na realização de vídeogravações dos sujeitos envolvidos e, posteriormente, submetê-los à observação do material filmado. Assim, registrou-se, através da câmera de vídeo, a dinâmica interativa da sala de aula e, após uma etapa inicial de seleção das imagens e identificação dos sujeitos, estes foram convidados a assistir o material editado. Durante as sessões de autoscopia, os sujeitos eram incentivados a fazer comentários a respeito do que viam. Desta maneira, foi possível identificar, nos comentários dos alunos, as diversas formas de manifestação da afetividade em cada momento do processo de escolarização, bem como as mudanças que se observaram nas diferentes idades. Tais comentários foram organizados em núcleos de significação, segundo os sentidos atribuídos pelos sujeitos às práticas pedagógicas da sala de aula.

Palavras-chave: não especificado


PROGRAMA BIBLIOTECAS ESCOLARES: UMA EXPERIÊNCIA DE INCENTIVO À LEITURA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CAMPINAS

Dissertação
Autor: Maria Lúcia Bachiega
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 25/02/2008
Resumo: Entre 1990 e 1992 a Secretaria Municipal de Educação de Campinas apoiou, nas escolas da rede, a organização de bibliotecas escolares, de forma isolada. Em 1993, deu início à construção do ‘Programa Bibliotecas Escolares’, inicialmente chamado de Projeto Biblioteca, através do estabelecimento de uma coordenação geral de ações integradas. Em 2001, o programa foi parcialmente descaracterizado e em 2002 desativado, em seu formato que já existia há 8 anos, com assessoramento aos professores e escolas e diversas atividades para dinamização da leitura. Assim, as escolas passaram a gerir, novamente sozinhas, seus espaços destinados à biblioteca. Em seus 9 anos de existência, o ‘Programa Bibliotecas Escolares’ gerou uma grande e diversificada documentação escrita e visual, além de é claro, um conjunto de iniciativas, experiências e possibilidades em torno dos livros e do espaço da biblioteca no interior de um número considerável de creches, escolas de educação infantil e fundamental, pertencentes à rede municipal. Pela natureza do programa, que articulava à instalação de bibliotecas o trabalho de assessoramento aos professores, a constituição de equipes condutoras, a realização de encontros e eventos ao longo desse tempo, o programa também gerou na memória dos que dele puderam participar, um conjunto de percepções, lembranças, opiniões e avaliações. O propósito desse trabalho é buscar uma organização possível dessa experiência, dialogando com diferentes memórias e documentos, que se encontram dispersos e fragmentados, em diferentes e variados suportes, priorizando o ponto de vista do pólo que organizou essa experiência em nível de secretaria. Tal narrativa registra uma ação coletiva em torno dos livros e da biblioteca na escola que, sobretudo, como ação institucional, como política pública para a escola e o livro, ultrapassou a mera distribuição de acervos, constituindo-se, como política de formação continuada para professores.

Palavras-chave: não especificado


Analise do processo de produção dos memoriais de formação por alunos do PROESF

Dissertação
Autor: Maria Cristina Moretto Pellisson
Orientador: Sérgio Antonio da Silva Leite
Data da Defesa: 21/02/2008
Esta pesquisa objetiva analisar e descrever o processo de construção dos Memoriais de Formação de uma classe de alunas do curso de Pedagogia do PROESF, programa especial da Faculdade de Educação da Unicamp. Sendo este curso destinado a um público específico, essas alunas já possuíam o diploma do curso de Magistério. A orientação da produção textual dessas alunas esteve a cargo de um professor, membro de um grupo de dez docentes da FE da Unicamp - denominado G10. Essa orientação deu-se por meio de encontros mensais do professor com a classe, nos quais estivemos presentes. De cunho qualitativo, a presente pesquisa define-se como um estudo de caso, com escolha intencional de sujeitos. Como fontes primárias na coleta de dados junto às alunas, utilizamos questionários que permitiram respostas abertas e entrevistas semi-estruturadas, gravadas em áudio. Como fontes auxiliares, fizeram parte da coleta anotações em Diário de Campo e gravações em áudio dos encontros do professor do G10 com a classe. Os dados foram coletados em períodos demarcados entre um encontro e outro do professor do G10 com a classe, períodos esses que receberam denominações de acordo com a ênfase do processo no momento. Esses dados foram organizados, segundo a semelhança de temas entre os relatos dos sujeitos, em agrupamentos denominados Núcleos Temáticos. Baseamos em referenciais teóricos da Psicologia dentro da perspectiva histórico-cultural, que concebe o psiquismo humano como essencialmente histórico, atribui especial relevância ao meio social como condição para a constituição do sujeito e defende o papel da mediação do professor, dentro da escola, como elemento fundante no processo de aprendizagem do indivíduo. Para as reflexões acerca da formação continuada do professor, adotamos como pressupostos teóricos concepções que assumem o processo de constituição do professor num continuum, entre sua formação inicial e sua formação permanente em serviço. Da análise dos dados tivemos evidências de como essas alunas progrediram qualitativamente nas escritas de seus memoriais, as dificuldades que encontraram e os elementos considerados facilitadores e/ou dificultadores no processo. Nesses avanços dos sujeitos identificamos os saltos qualitativos, o momento do processo em que ocorreram e seus possíveis determinantes, evidenciando elementos relevantes quanto ao planejamento de aulas, mediação do professor e aprendizagem do aluno.

Palavras-chave: não especificado