Teses e Dissertações


“POSSO DAR UMA IDEIA? CADA UM PEGA O LIVRO QUE QUER...” : SOBRE A FORMAÇÃO DE LEITORES NA SALA DE LEITURA

Dissertação
Autor: Ana Carolina Carvalho
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 20/11/2018
Esta pesquisa procurou investigar o jovem leitor, considerando suas experiências de formação em uma Sala de Leitura de uma escola da rede municipal de São Paulo, SP, e no bairro em que vive. Os dados foram gerados a partir de um conjunto de observações e entrevistas-conversas com grupos de alunos e profissionais da escola, assim como de registros e visitas a outros locais do bairro. As práticas vividas, relatadas e registradas foram discutidas levando em conta algumas reflexões do campo, as orientações do Programa de Sala de Leitura da Prefeitura de São Paulo, as formações voltadas para os para os professores orientadores dessas salas e as representações de leitor literário que circulam nesses lugares. O trabalho apoiou-se em contribuições da História Cultural, especialmente em Roger Chartier, cujas investigações sobre o livro, as práticas de leitura, os leitores e a História da Leitura inspiraram nossas discussões. Assim como ele, também: Britto (2008, 2011, 2013), Petit (2008), Silveira (1991, 2007), Certeau (1994, 2012), Canclini (2008) Sibilia (2012). 

Palavras-chave: não especificado


Leitura e corpo em reverberação

Tese
Autor: Rosana Baptistella
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 10/08/2018
Este trabalho tem como temática leitura e linguagem, numa perspectiva da História Cultural. O percurso metodológico consiste em, utilizando textos selecionados previamente pela pesquisadora, propor sessões de leitura e laboratórios de criação a um conjunto de cinco colaboradores e investigar: Que sentidos são produzidos? O que e como cada um dos participantes traz de si, de suas histórias e memórias, inscritas na prática de leitura? Como essas lembranças são amalgamadas aos textos lidos no momento da prática da leitura? Tendo cada um sua história peculiar/ própria, diferentes corpos e experiências - no sentido atribuído por Larrosa Bondía (2002) à palavra experiência ¿, suas respostas ao texto são únicas, mas também compartilhadas, pois os colaboradores fazem parte de uma mesma comunidade de leitores, artistas, envolvidos com dança, que foram convidados por afinidades de trabalho e de pesquisas. Sentidos são produzidos, entre memórias, sensações, imagens, na tensão estabelecida entre os leitores e os textos (CHARTIER, 1988), reverberados no corpo, como prática de leitura. Ainda que únicas e autorais, as respostas aos textos lidos são produzidas na tensão entre o ?aprendido? culturalmente e as condições peculiares em que elas ocorrem e se enraizam. Os referenciais teóricos desta pesquisa advêm principalmente de Michel de Certeau (1995; 1998) no que tange à produção de sentidos pelos sujeitos, Roger Chartie (1996; 1998) em relação às práticas de leitura, suportes de textos e representações e Larrosa Bondia (2002) e Walter Benjamin (1994), quanto ao conceito de experiência

Palavras-chave: leitura; corpo; leitores; experiência


OS ESPAÇOS DE LEITURA NAS PÁGINAS DO COLES (19778-1993)

Dissertação
Autor: Larissa de Souza Oliveira
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 06/07/2018
Esta investigação se insere no projeto maior de pesquisa “ALB: memórias”, do grupo ALLE/AULA (Alfabetização, Leitura e Escrita e Trabalho Docente na Formação Inicial) da FE/Unicamp (Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas). Seu objetivo é estudar o tema espaços de leitura no âmbito dos Congressos de Leitura do Brasil (COLE) ao longo de 15 anos, em um período que recobre as nove primeiras edições do congresso (1978-1993). A fonte documental desta pesquisa se constitui dos suportes nos quais se inserem textos referentes à programação oficial dos congressos: cadernos de Resumos (1º, 2º e 3º COLEs) e Anais (4º, 5º, 6º, 7º, 8º e 9º COLEs). A partir do estudo desses impressos, que carregam um estado do conhecimento e uma memória sobre o COLE, principal ação da Associação de Leitura do Brasil (ALB), selecionamos textos que, de alguma maneira, discutem ou mencionam a noção de espaços em que se pratica a leitura. Nossa problematização deste conjunto de textos apoia-se no conceito de representação, de Roger Chartier (2002; 2009). Buscamos levantar representações desses espaços de leitura, levando em conta a “configuração composicional” (FERREIRA, 2017) que carregam os textos de um congresso pioneiro na discussão sobre a Leitura no Brasil. Essa discussão se insere em pesquisas que se preocupam com uma história da leitura no país.

Palavras-chave: Congresso de Leitura do Brasil; Associação de Leitura do Brasil; Espaços de Leitura; Memória; História


Artes de fazer: Memória, História e Participação nos 30 anos da Associação de Leitura do Brasil

Tese
Autor: Sônia Midori Takamatsu
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 31/08/2017
Este trabalho elege como tema as memórias da Associação de Leitura do Brasil (ALB); entidade que, há mais de três décadas, congrega interesses relativos à leitura, às questões pertinentes ao livro e, especialmente, ao livro e à leitura como interfaces da educação. A pesquisa compreende o período de criação da entidade até sua consolidação cuja extensão inclui as primeiras edições dos Congressos de Leitura do Brasil (1978 a 1981), a fundação da ALB (1981) e as eleições da primeira diretoria eleita em 1983.

Palavras-chave: Associação Leitura do Brasil (ALB); leitura; memória


Um estudo dos resumos de dissertações de mestrado e teses de doutorado [recurso eletrônico] : 45 anos de produção em leitura no Brasil (1965-2010)

Dissertação
Autor: Thais Nogueira Penido
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 04/08/2017
O objetivo deste trabalho é inventariar a produção de pesquisas acadêmicas em leitura realizadas no interior dos programas de pós-graduação brasileiros, buscando entende-la a luz da história cultural proposta por Roger Chartier. Em seu corpus de análise foram reunidas 2.040 dissertações de mestrado e teses de doutorado tematizando a leitura sob diferentes perspectivas teórico-metodológicas, identificadas em 105 instituições de ensino, de caráter público e privado, em todas as regiões brasileiras, no período de 1965 a 2010, na tentativa de traçar um panorama geral dos movimentos que a leitura vem gerando no campo acadêmico. O trabalho propõe-se a identificar, quantificar, distribuir, analisar, apresentar os dados coletados e disponibilizá-los em forma de gráficos e tabelas. Os resultados podem redimensionar o crescimento do interesse em tematizar a leitura em suas diferentes esferas dentro da comunidade acadêmica, nas últimas décadas no Brasil. Também é objetivo dessa pesquisa construir um catálogo de teses de doutorado e dissertações de mestrado para divulgar os resultados obtidos e torná-los acessíveis a outros pesquisadores com interesse nos estudos em leitura

Palavras-chave: estado da arte; leitura; produção acadêmica


A LITERATURA E A ESCOLA: UM ESTUDO SOBRE OS MODELOS DE EDUCAÇÃO LITERÁRIA DO ENSINO MÉDIO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE SALVADOR (BA)

Tese
Autor: Oton M.S.Santos
Orientador: Ezequiel Theodoro da Silva
Data da Defesa: 28/04/2017
O trabalho apresenta os resultados da investigação sobre modelos de educação literária praticados em escolas públicas estaduais de Salvador (BA). Como referencial teórico, a pesquisa utilizou a História Cultural, a partir dos conceitos de representação e apropriação propostos por Roger Chartier, tendo como suporte estudos relacionados à literatura, ao livro didático e à educação literária. O corpus do trabalho compreendeu, além de três capítulos teóricos que tratam das temáticas acima mencionadas, a realização de uma coleta de dados através da análise e interpretação do Projeto político pedagógico de cada instituição, dos planos curriculares da disciplina Língua Portuguesa, da observação de aulas e das entrevistas com quinze estudantes e quatro professoras do ensino médio das duas escolas inseridas no processo investigativo. Como resultado, a pesquisa apurou a existência de três modelos de educação literária: historiográfico-literário, modelo de concepção pedagógico-literária, modelo concebido de educação literária resultante das escolhas e dos gostos dos estudantes em relação à leitura literária.

Palavras-chave: Educação Literária. Livro didático. Representação. Apropriação. Ensino médio.


Gênero Graphic Novel: Histórias para uma nova geração de leitores

Dissertação
Autor: Daniele Cristina dos Santos Pascuali
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Data da Defesa: 02/02/2017
Cada gênero discursivo é uma resposta dos sujeitos às necessidades e finalidades próprias das situações comunicativas ligadas a determinadas condições de produção de usos da linguagem. Graphic novel pode ser identificada como um “novo” gênero, que atualmente circula nos bancos escolares da Educação Básica e que faz parte do acervo do PNBE/MEC, mas que tem sido pouco estudado e explorado nas academias. É intuito dessa pesquisa – alicerçada nos estudos de M. Bakhtin, R. Chartier e W. Eisner – compreender como este gênero se constitui em sua configuração composicional (estrutura, estilo, temática e suporte que sustenta o texto), destacando o uso híbrido da linguagem e das imagens, o jogo de enquadramentos nas cenas sequenciais, a complexidade da temática, entre outros. Para as análises, tomou-se a obra Um Contrato com Deus e outras histórias de cortiço, de Will Eisner, publicada pela primeira vez no Brasil, em 1988, pela Editora Brasiliense.

Palavras-chave: Graphic Novel; romance gráfico; autoria.


Linguagem escrita, habilidades metacognitivas e tecnologia digital: uma relação em construção

Dissertação
Autor: Alejandra Silva Salcido
Data da Defesa: 11/10/2016
O estudo das habilidades metacognitivas nos ambientes digitais é um campo pouco explorado que pode abrir possibilidades nos processos de alfabetização e letramento (digitais) na prática pedagógica. A presente pesquisa está focada na produção escrita digital (blog) de alunos do sexto ano de ensino fundamental e as habilidades (meta)cognitivas envolvidas no processo. O objetivo é analisar as habilidades ‘meta’ durante a produção e revisão das produções textuais digitais para compreender as mudanças nos aspectos cognitivos e educacionais gerados pelos novos espaços de produção. Os participantes da pesquisa são seis alunos, matriculados no sexto ano de uma E.M.E.F. na região sudoeste no município de Campinas, SP. Explora-se o caminho dos alunos para a produção de um texto (post), bem como as interações dele com o hipertexto e com a variedade de linguagens presentes no espaço digital, a partir de uma abordagem qualitativa, usando como instrumentos a observação participante, a entrevista e a roda de conversa. A coleta compreende cinco fases: Fase A-Roda de conversa para mapear o uso e conhecimento das mídia digitais; Fase B- Sessão piloto de realização de tarefas através de comandas no meio digital; Fase C- Sessão de produção escrita de post no blog; Fase D- Entrevista individual para reflexão do processo de escrita e de revisão do texto; Fase E- Roda de conversa para reflexão sobre as atividades realizadas ao longo da coleta. Os dados foram analisados a partir do diálogo entre a perspectiva interlocutiva de Bakhtin e a psicologia cognitiva. Construi-se uma relação estreita entre a linguagem escrita, as habilidades metacognitivas e a tecnologia digital. As habilidades metacognitivas usadas na cultura do papel são também usadas na cultura digital, visando a possibilidade de que as novas tecnologias peçam o desenvolvimento de novas habilidades, exclusivamente para agir nos ambientes digitais. Evidencia-se o desenvolvimento de habilidades digitais básicas dos alunos, porém existe uma subutilização da tecnologia digital, pelas ações restritas que fazem dos dipositivos móveis e das novas tecnologias. Os resultados da pesquisa sugerem repensar os processos de alfabetização e letramento digitais e analisar o ’novo’ das novas tecnologias para um aproveitamento holístico delas nas práticas escolares. Portanto, o papel da escola se torna imprescindível na estimulação, desenvolvimento e aprimoramento de habilidades digitas e habilidades metacognitivas para a produção de textos hipermidiáticos nas novas tecnologias.

Palavras-chave: habilidades metacognitivas, linguagem escrita, tecnologia digital, letramento digitalhttp://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/321598


OS LEITORES E AS PRÁTICAS DE LEITURA NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE VALINHOS

Dissertação
Autor: Lara Elisa Latância
Orientador: Norma Sandra de Almeida Ferreira
Ano da Defesa: 2016
Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo conhecer os leitores da Biblioteca Municipal de Valinhos Dr. Mario Correa Lousada. Buscamos compreender, no polo das práticas, os modos como os leitores circulam e habitam este espaço; o que leem, como e porque fazem determinadas escolhas de livros e leituras; enfim, seus comportamentos em contato com o livro e outros suportes oferecidos pela Biblioteca de Valinhos. Este estudo se insere no campo da História Cultural, em especial no que se refere às contribuições teóricas de Michel de Certeau (1994, 2013) e Roger Chartier (1991, 1998, 1999, 2002a, 2002b, 2004, 2011). A pesquisa, de natureza quanti-qualitativa, fez uso de fontes como: dados do sistema de cadastros digitais da Biblioteca, observações realizadas neste espaço no período de agosto de 2013 a junho de 2014 e registradas em um caderno de campo, além de entrevistas informais com cinco leitores selecionados por apresentarem práticas de leitura que se destacaram ao longo das observações. A análise dos cadastros indicou a maioria dos leitores sendo do sexo feminino, na faixa etária de 10 a 19 anos, ou seja, estudantes frequentando, principalmente, o Ensino Fundamental. Apesar desta maioria, as observações mostram grande presença de homens, em especial, idosos, além de mães acompanhadas de seus filhos (ou não). Há ainda uma significativa quantidade de leitores da área da Educação e uma grande variedade deles distribuídos em outras profissões, indicando a leitura como uma prática cultural atual, presente e valorizada pela população em geral. São diferentes usos que movimentam esta Biblioteca: posições do corpo que lê, maneiras e finalidades de ler também diversos. As práticas de leitura estão principalmente relacionadas à escola e também aos modos contemporâneos proporcionados pelo acesso dos leitores à informática e ao mundo digital, pela internet. 

Palavras-chave: não especificado


SUPER NOTÍCIA: UM JORNAL ENTRE LEITORES

Tese
Autor: Renata Kelly de Arruda
Orientador: Lilian Lopes Martin da Silva
Data da Defesa: 03/10/2015
Resumo: Um cenário peculiar nos é apresentado junto à movimentação diária das ruas de Belo Horizonte/MG: a convivência entre pressa matutina e leitura, atividade esta comumente imaginada como ação que requer silêncio e concentração. Essa pesquisa tem por objetivo conhecer, registrar e refletir sobre as práticas de leitura do jornal Super Notícia, vividas nesse contexto. Um contexto formado de época e lugar específicos em que certa comunidade de leitores mobilizou um conjunto de práticas de leitura partilhando formas e modos de ler e de produzir sentidos para o lido. Percorremos os três pólos que de forma geral tencionam os impressos – sua produção, circulação e recepção - procurando considerá-los de maneira interligada e tomando-os como orientadores de nossa investigação. No pólo da produção, buscamos conhecer o cotidiano da fabricação do impresso, bem compreender aquilo que levou o jornal, em poucos anos, a equiparar-se a jornais centenários de grandes grupos de mídia brasileiros, ao menos em termos quantitativos. Nos polos de sua circulação e recepção, fomos em busca dos caminhos de sua disseminação e modos de acolhimento do impresso entre os leitores, bem como de seu emprego e leitura. Uma descrição do jornal em termos de sua materialidade nos permitiu diversos cruzamentos e inferências sobre os leitores. Utilizamos ainda entrevistas, observações diretas e fotografias envolvendo personagens de todo o circuito. Para compor nossa reflexão final, lançamos mão das transcrições das entrevistas, dos registros escritos em diários de campo e de imagens fotográficas. O trabalho nos permitiu questionar discursos recorrentes, como o de que “brasileiro lê pouco”, ou a supervalorização, também comum, de alguns tipos de impresso em detrimento de outros. Também nos ajudou a descobrir e compreender modos e finalidades de leitura, que se realizam de forma sempre situada. Assim, em oposição a uma visão generalista e universalista da prática da leitura, propomos uma visão que a toma e a afirma em sua multiplicidade de formas e possibilidades. São distintos objetos a ler, diferentes sujeitos leitores, muitos modos de fazer, muitas motivações etc. As principais referências teóricas que orientaram esta pesquisa encontram-se em Roger Chartier, Robert Darnton e seus estudos acerca da história cultural.

Palavras-chave: não especificado